29 de mar de 2009

Uma ponte para a Vida


Vi Terabithia, lá estive, lá sorri e lá chorei. Estive em Terabithia, onde os sonhos se convertiam em realidade. Sonhei com Terabithia, onde a magia não tem idade.

O filme não é nada do que se espera. Não vemos dragões mágicos, não vemos varinhas de condão, nem fadas cintilantes. Vemos apenas uma menina e um menino: Jesse, o único filho (rapaz entre quatro irmãs: dois desastres, mais velhas, e um anjo, mais nova) de uma família com escassas condições financeiras, maltratado por dois colegas patéticos e que não vê o amor que o pai lhe expressava (porque não sabia bem como expressar!); e Leslie, a menina dos olhos de ouro dos pais (escritores-natos) e dos professores.


Leslie chega e, aos poucos, demonstra ao espectador que o amor surge da amizade. Jess retribui com dificuldade. Mas não pensem que o filme é uma história de amor ao bom estilo romântico. É muito mais!

Leslie é imaginativa nas palavras, Jess é exímio nas imagens. Juntos, os dois criam um mundo de fantasias nos quais eles dominam, um mundo chamado Terabithia, no qual não há limites.

Mas a fantasia, algum dia acaba. O espectador choca-se. As crianças choram. Algo muda naquele mundo perfeito e romantizado. Alguém percebe que as oportunidades não podem ser deixadas para trás. Alguém percebe que o sonho limita a vida. A comédia se converte em drama para se converter, depois, em vida real. O espectador-mirim aprende o que é a culpa, aprende o que é a vida, aprende o que é crescer. O espectador-adulto sabe o que é a culpa e por isso percebe o que é a responsabilidade, sabe o que é a vida por isso alegra-se de nela estar, e sabe o que é crescer por isso adora a nostalgia da infância.

É em Terabithia que se ergue uma ponte onde a adultez e a infância se encontram. É lá que o onírico e o desperto se fundem. É lá que percebemos que é possível andar o caminho espiritual com pés práticos.

Ergamos uma ponte à Terabithia!

Oração da Campanha da Fraternidade 2009

Bom é louvar-vos, Senhor, nosso Deus,
que nos abrigais à sombra de vossas asas,
defendeis e protegeis a todos nós, vossa família,
como uma mãe, que cuida e guarda seus filhos.

Nesse tempo em que nos chamais à conversão,
à esmola, ao jejum, à oração e à penitência,
pedimos perdão pela violência e pelo ódio
que geram medo e insegurança.
Senhor, que a vossa graça venha até nós
e transforme nosso coração.

Abençoai a vossa Igreja e o vosso povo,
para que a Campanha da Fraternidade
seja um forte instrumento de conversão.
Sejam criadas as condições necessárias
para que todos vivamos em segurança,
na paz e na justiça que desejais.
Amém.

Agenda 2009

09/04 - Quinta Feira Santa na Catedral – Natal/RN
10/04 - Visita a Conceição – Nova Cruz/RN
25/04 – Festa de Início do Ano da Crisma (CNSC) – Nova Cruz/RN
24-31/05 - Visita da Pastoral – Nova Cruz/RN
11/06 - Corpus Christi (evento na Matriz) - Nova Cruz/RN
09-12/07 – Expocatequese (Cefet) – Natal/RN
30/09 - Dia do Catequista
09/11 – Encerramento da Crisma – Campina Grande/PB

Reunião na Casa Paroquial

Reunião na Casa Paroquial com a acessoria da Crisma





22 de mar de 2009

Campanha da Fraternidade 2009

Tema: Fraternidade E Segurança Pública

Lema: "A Paz é Fruto da Justiça"


A Campanha da Fraternidade (CF), realizada todos os anos pela CNBB, teve início em 1964 com temas que diziam respeito apenas à Igreja. A partir de 1973, a CF começou a mostrar uma maior preocupação com a realidade social do povo brasileiro e os temas começaram a dar destaque a promoção da Justiça e a situações existenciais do povo brasileiro como a realidade sócio-econômico-política, marcada pela injustiça, pela exclusão e por altos índices de miséria.

De acordo com o Padre Toffoli, uma das motivações para que o tema da CF de 2009 seja a Segurança Pública foram os constantes pedidos feitos pela Pastoral Carcerária, organismo pertencente à CNBB que cuida da evangelização em unidades prisionais de todo o país. Além da Pastoral Carcerária, as dioceses e as regionais da Conferência por todo o país também solicitaram a adoção desse tema.

A CF é especialmente manifestada na evangelização libertadora, clama a renovar a vida da Igreja a transformar a sociedade, a partir de temas específicos, tratados à luz do Projeto de Deus.

Crisma

Segundo a doutrina da Igreja Católica a Crisma ou a Confirmação é um sacramento da Igreja Católica em que o fiel recebe através da ação do bispo uma unção com o Crisma (óleo).

Iniciação

O Crisma, juntamente com o Batismo e a Eucaristia, são considerados pela Igreja Católica como sendo os "sacramentos da iniciação cristã". A imposição das mãos é reconhecida pela tradição católica como a origem do sacramento da Confirmação.

Efeitos

A Igreja afirma que a celebração deste sacramento resulta a efusão especial do Espírito Santo, como outorgado antigamente aos apóstolos, por ocasião do Pentecostes, o aprofundamento e crescimento da graça batismal e do sentido da filiação divina, une o crismando mais solidamente a Cristo, aumenta os dons do Espírito Santo, torna mais perfeita a sua vinculação com a Igreja e concede uma especial graça para testemunhar a fé. A doutrina sobre este sacramento afirma que ele imprime "caráter", como que se deixasse na alma um selo ou marca indelével que vincula o crismando como se fosse uma "propriedade" de Cristo. Este evento normalmente é realizado após os 15 anos de idade, sendo esta considerada a Idade da Razão.